Saudação à mãe natureza
(Rosa)

A natureza cantou
Como faz a lira agora
E a folia ganhou
O nosso Mestre
Ao romper da aurora

Sua obra hoje é arte
No estandarte meu
Seu passado é um poema
Alegria o seu lema
No Matoso ele nasceu

E o samba vem
Cobrir de branco a avenida
Samba quem tem
Amor demais por esta vida

Na no céu a lua cheia
Clareia a imensidão
Poesia ele semeia na avenida
Que guardo no meu coração

(Marcando glórias)
Marcando gloria do tempo
Ele se fez o maior
Com a sua liberdade
Na tristeza deu um nó

E hoje!
Manoel Jacintho é minha canção
E no gingado da morena
Levanta a poeira do chão

Vai subir poeira até o sol raiar
Quem gosta da brincadeira
Vem pro samba e vem sambar