Monstros criminosos
(Filhos do Racional Superior)

Autores: (FRS) Luiz Racional e Ricardo da Paz

Seres humanos, monstros criminosos
Destroem a Natureza, roem os ossos
Mundo de monstros, seres cruéis
Nascem aqui sem saber seus papéis

Sacrilégio é a grande epopéia da terra
Monstros deformados na matéria
O sacrilégio está no ser humano
O sacrilégio está na origem do mundo

Por serem criminosos são sofredores
Condenados à morte fora da eternidade
Sujeitos aos males da deformação
Nascem e morrem presos no chão

Inferno verde, sofrimento reinante
Fogo de dia, o sol e fogo de noite
Terremotos, bichos e tempestades
Calor e frio, doenças incuráveis

Criminosos nascem para sofrer
Criminosos vivem sem se conhecer
Sofrem adultos e crianças
Sofrem todos fica a esperança

Ser humano não doma ou amansa
Fica calmo enquanto enche a pança
Um mundo de ciências, de feras
Nunca descobriram a vida eterna

Mundo de lutas e trucidação
Bons e santos nunca serão
Dizem ser civilizados e instruídos
Um enfeite de amarguras dos iludidos

Brilham só ruínas, tudo é fantasia
Brilha no mundo somente a hipocrisia
Ciúme, falsidade e intrigas
Traição, egoísmo, inconsciência

No mundo nunca houve equilíbrio
Vivem fantasiados com seus títulos
Tudo é falso na vida de matéria
A própria vida não tem garantia

Aventureiros que morrem sem querer
Ninguém sabe quando vai acontecer
Por ser fantasia, por ser atraente
Atrai tonteia, deixa inconsciente

Os bichos têm o seu sentimento
Mas todo sentimento é um veneno
Então os bichos eles se confundem
Confusão por existir o mal e o bem

Bem aparente nunca foi de verdade
Tudo passa e nada é realidade
Hoje zangados, amanhã contentes
As feras sorriem e rangem os dentes

Se eu pudesse destruía a ganância
Se eu pudesse destruía a arrogância
Ia limpar o mundo numa onde gigante
Ia mudar de fase, de repente

Os monstros criminosos
Destroem a natureza e roem seus ossos
Maiores parasitas sobre a terra
Desprezam a luz da energia eterna

As falanges do espaço já estão cansadas
De tanto progresso que não leva a nada
Multiplicam misérias para humanidade
Humanidade aonde só se vê ferocidade

Mundo de monstros, parasitas do chão
Criminosos criaram esta deformação
Criminosos saíram da planície Racional
Monstros que vivem fora do natural

A natureza já tem tudo anotado
Quanto menos espera vai ser cobrado
Sua maldade cruel há de ser resgatada
Quem nasce morre, quem deve paga

Onde existe o atraso, tem sofrimento
Monstruosos filhos do pensamento
Treva encantada vivem no escuro
Na matéria não existe lugar seguro

Falsos sábios vivem envaidecidos
Mundo de matéria, mundo invertido
Sabedoria fraca dos impostores
Impostores encantados, sofredores

Livros vazios, falsas verdades
Não há lógica, não há base
Filosofando e ganhando o seu dinheiro
Ganância e ambição dos embusteiros